MICROBRIO
MANCHAS
ANA-TERESA
teresa-lim
fem
MICROBRIO
MANCHAS
ANA-TERESA
teresa-lim
fem

Sobre novos bordados e suas entrelinhas

Falando um pouco sobre a sua história, o bordado é uma das artes aplicadas mais antigas da história da humanidade, o ponto cruz já era usado pelos nossos ancestrais da caverna para remendar vestes, por exemplo. O registro mais antigo é um fóssil na Rússia de 30 mil anos a.C. de uma peça com aplicações de Marfim.

Normalmente, quando se fala na técnica vem logo na cabeça aquela toalha de rosto que a nossa mãe bordou com o nosso nome no maternal ou o forro de mesa maravilhoso da casa da nossa avó. Sou filha de bordadeira, minha mãe já tentou me ensinar mil vezes a técnica, mas na época eu era muito moleca para isso e achava que andar de patins era mais divertido do que tentar acertar os “x” no tecido. Mas como a vida dá voltas, recentemente eu tenho descoberto linhas incríveis de bordado que vão muito além do vagonite ou das flores das revistas de ponto cruz. Veio o gosto amargo de arrependimento de não ter aprendido antes e minha frustração virou board no pinterest: “Needles Inspiration” . Esse é um dos meus melhores boards e deu vontade de dividir ele aqui com vocês. Aproveitei o embalo para aprofundar um pouco mais e pesquisar quem está por trás dessas agulhas.

Vamos fazer um bordado tour com artistas incríveis que estão revolucionando com composições e discurso.

Fauna microbiótica

MICROBRIO

Encontrei muitas bordadeiras que se identificam como geeks e adoram levar o universo de suas pesquisas para seus bordados. Escolhi duas para falar dessa linha científica. Laura Katherine Mcmillan por exemplo é uma artista plástica do Canadá que fez uns estudos riquíssimos em histologia e tem muitos bordados de amebas, células e um montes de outras coisas que a gente vê na tela do microscópio. A outra artista é a inglesa Elin Thomas que vai um pouco além do bordado e faz um trabalho 3D de representação de  liquens e fungos.

 

Manchas abstratas

MANCHAS

Quem disse que as formas bordadas tem que fazer sentido? Na linha abstrata, tenho visto muito uma nova onda de conjugar manchas de tinta com linhas bordadas por cima. Lisa Smirnova possui um editorial de moda com roupas que usam essa técnica. Algumas manchas chegam a parecer que você derramou café na roupa na hora do almoço. O legal do trabalho dela é que ela faz mancha em cima de estampa sem medo de um overprint.
Tem também a Liz Payne que é uma australiana que faz um trabalho cheio de cores e texturas tácteis, bordando miçangas, lantejoulas em cima de spots de tinta bem delimitados. Já  Anna Jane Searle é uma artista plástica que sonha morar entre montanhas, e constrói uma linha de trabalhos inspirado em estruturas geológicas.

Colagem com movimento

ANA-TERESA

Ana Teresa Barboza extrapola suas telas e faz bordados surreais que são muitas vezes conjugados com imagens e linhas aplicadas por cima. Utiliza além das linhas convencionais lã para dar mais volume, criando fluxos que dão volume e transbordam a superfície bordada. Algumas de suas obras chegam a ser metalinguísticas, com uma pessoa que borda a si própria.

 

Álbum de fotos

teresa-lim

Seguindo uma vertente mais hiper-realista, temos bordados que funcionam como um álbum de retratos. Como por exemplo, Teresa Lim que, ao invés de registrar suas viagens usando um celular ou uma máquina fotográfica, ela tem o projeto”Sew Wanderlust” onde ela pega linhas e agulhas e regristra os lugares que visita através de telas bordadas.

Discurso Empoderado

fem
O bordado também tem sido usado para desmistificar tabus do corpo feminino. Poderia fazer o post inteiro só sobre este assunto. Esse foi o tópico mais difícil de encontrar as autoras dos bordados, a maioria possui uma página no etsy, uma página muito utilizada para vender artigos de artesanato e trabalhos feito a mão. Começando com Michelle Gauthier. Sua galeria é cheia de imagens NSFW sempre com uma paleta maravilhosa. Atenção especial para esse absorvente com detalhes de miçanga vermelha!
KnittyMD é mais uma da linha geek. Ela é uma residente de medicina que ama fazer bordados inspirados em seus estudos de anatomia. Já Anya possui um trabalho mais tipográfico, reproduzindo frases de empoderamento do movimento feminista. E por fim Alaine Varrone possui um trabalho autoral bastante provocativo com ilustrações bastante divertidas que questionam o padrão de beleza feminino.

Gostaram? Abre o pinterest e pina todas essas bordadeiras incríveis pois vale muita a pena sempre seguir de perto o trabalho delas.

 

 

 

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *